Influência do treinamento de força em programas de emagrecimento

Daniel Capra, Luis Guilherme Tartaro, Roberto Aparecido Magalhães, Anderson Martelli

Resumo


Introdução. A obesidade vem ganhando proporções pandêmicas e tem se tornado um grande problema de saúde pública mundial, acarretando inúmeras consequências de aspectos fisiológicos, insalubres e econômicos. O treinamento de força é uma prática conhecida, mas negligenciada quando o assunto é emagrecimento havendo uma preferência por outras modalidades de exercícios. Objetivos. A presente revisão faz uma abordagem sobre os benefícios do treinamento de força visando à diminuição do percentual de gordura de seus praticantes pelo aumento do gasto calórico e um emagrecimento saudável. Conclusão. A prática do treinamento de força pode ter uma grande influência na perda de peso e torna-se um aliado na recuperação dos componentes básicos da estrutura corporal favorecendo uma melhora da qualidade de vida dos praticantes e a saúde de modo geral.

Descritores: Obesidade; Exercício; Perda de Peso.


Texto completo:

PDF

Referências


Mendes CML, Cunha RCL. As novas tecnologias e suas influências na prática de atividade física e no sedentarismo. Revista Interface: Saúde, Humanas e Tecnologia. 2013;1(3):s/p.

Dias IBF, Montenegro RA, Monteiro WD. Exercícios físicos como estratégia de prevenção e tratamento da obesidade: aspectos fisiológicos e metodológicos. Rev HUPE. 2014; 13(1):70-9.

Fleck SJ, Kraemer WJ. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3.ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Maravelli IS, Del Judice EL, Matavelli R, Martelli A. Hipertensão Arterial Sistêmica e a Prática Regular de Exercícios Físicos como Forma de Controle: Revisão de Literatura. RBCS. 2014;18(4):359-66.

Silva Filho JN. Treinamento de força e seus benefícios voltados para um emagrecimento saudável. RBPFEX. 2013; 7(40):329-38.

Xavier BMLS. Fatores relacionados à obesidade infantil [trabalho de conclusão de curso]. Valparaiso: Faculdade de Ciências da Educação Sena Aires; 2014.

Sá JM, Melo MR, Speretta GFF, Menani JV, Colombari E, Colombari DSA. Bloqueio de receptores AT1 centrais reduz a pressão arterial em animais alimentados com dieta hiperlipídica. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015; 36(1):s/p.

Hernades F, Valentini MP. Obesidade: Causas e consequências em crianças e adolescentes. Conexões. 2010;8(3):47-63.

Buff CG, Ramos E, Souza FIS, Sarni ROS. Frequência de síndrome metabólica em crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade. Rev Paul Pediat. 2007; 25(3): 221-6.

Cruz SH, Zanon RB, Bosa CA. Relação entre Apego e Obesidade. PSICO. 2015;46(1):6-15.

Melca IA, Fortes S. Obesidade e transtornos mentais: construindo um cuidado efetivo. Rev HUPE. 2014; 13(1):18-25.

Libório MFRA. Ambientes obesogénicos: Casa, área de residência e escola [dissertação de mestrado]. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2010.

Salve MGC. Obesidade e peso corporal: riscos e consequências. Movimento & Percepção. 2006; 6(8):29-48.

World Health Organization. WHO report on the global tobacco epidemic, 2011: warning about the

dangers of tobacco. Geneva: WHO, 2011b. Disponível em: [Acesso em 24 Out. 2015].

CONFEF. O futuro da Humanidade. Revista EF. 2012; 10(43). Disponível em: [Acesso em 10 Out. 2015].

Bozza R, Campos W, Bacil EDA.; Filho VCB, Hardt MJ, Silva PM. Fatores sociodemográficos e comportamentais associados à adiposidade corporal em adolescentes. Rev Paul Pediat. 2014; 32(3):241-6.

Lima RM. Obesidade, o mal do século. Revista Perspectiva Online. 2007; 1(2):86-99.

Gentil P. Emagrecimento – Quebrando Mitos e Paradigmas. Rio de Janeiro, Sprint, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Meneguzzo C, Ricalde SR, Santos JS, Mendes KG. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças atendidas em uma Unidade Básica de Saúde no Município de Antônio Prado (RS). Cad. Saúde Colet. 2010,18 (2):275-81

Cintra DE, Ropolle ER, Pauli JR. Obesidade e Diabetes: Fisiopatologia e Sinalização Celular. São Paulo: Sarvier, 2011.

Pontes ALC, Sousa IA, Navarro AC. O tratamento da obesidade através da combinação dos exercícios físicos e terapia nutricional visando o emagrecimento. RBONE. 2009; 3(14):124-35.

Warschauer M, Carvalho YM, Martins CL, Freitas FF. As escolhas das práticas corporais e dos profissionais que as conduzem nas unidades básicas de saúde do distrito Butantã/SP. In: 15º Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, II Congresso Internacional de Ciências do Esporte.Recife, 2007.

Arruda DP, Assumpção CO, Urtado CB, Dorta LNO, Rosa MRR, Zabaglia R, Souza TMF. Relação entre treinamento de força e redução do peso corporal. RBPFEX. 2010;4(24):605-9.

Fahey TD. Bases do treinamento de força para homens e mulheres. 8.ed. Nova York: AMGH; 2013.

Santarém JM. Musculação em todas as idades: comece a praticar antes que seu médico recomende. Barueri: Manole; 2012.

Grahl G, Noamann JT, Nunes RH, Flores LJF.

Efeitos do Treinamento Resistido na redução do percentual de gordura corporal em adultos: Uma revisão de literatura. CEFE. 2013;11(2):69-77.

Prestes J, Foschini D, Marchetti P, Charro M. Prescrição e Periodização do Treinamento de Força em Academias. São Paulo: Manole; 2010.

Moura ECC, Lima YS. O treinamento de força e seus possíveis benefícios em pacientes com osteoporose. EfDeportes.com. 2010;15(148). Disponível em: http://www.efdeportes.com/ efd148/o-treinamento-de-forca-em-pacientes-com-osteoporose.htm.

Montenegro LP. Musculação: Aspectos positivos para o emagrecimento. RBPFEX. 2014; 8(43):100-5.

Bompa OT. Teoria e Metodologia do Treinamento. 4.ed. São Paulo:Phorte; 2002.

Cornelian BR, Moreira J, Oliveira HG. Intensidade do treinamento para ganho de massa magra: Revisão de métodos para orientação prática. Rev UNINGÁ Review. 2014;18(3):37-43.

Lima-Silva AE, Pires FO, Bertuzzi R. Excesso de oxigênio consumido pós-esforço: Possíveis mecanismos fisiológicos. Reveducfis. 2010;21(3):563-75.

Pinto RS, Lupi R, Brentano MA. Respostas metabólicas ao treinamento de força: uma ênfase no dispêndio energético. Rev bras cineantropom desempenho hum. 2011;13(2):150-7.

Escurra M, Santiago AP, Ovando RGM. A musculação como um dos fatores determinantes para diminuição do percentual de gordura corporal em praticantes do sexo feminino. Fiep Bulletin. 2014;84(Spec Iss). Disponível em: http:// www.fiepbulletin.net)

Teixeira AV, Rocha GM. Efeito de um protocolo de treinamento de força periodizado sobre a composição corporal de mulheres com idades entre 50 e 60 anos. RBPFEX. 2014;8(44).

Porto M, Nagamine KK, Brandão AC, Florim GS, Pinhel MA, Souza EO, Souza DRS. Programa de treinamento resistido sobre a composição corporal e na força muscular de crianças com obesidade. R bras Ci e Mov. 2013;21(4):21-9.

Nunes FB, Sousa EN. Efeito de 12 sessões de treinamento resistido na composição corporal: um estudo de caso. RBPFEX. 2014;8(49):674-9.

Lopes CDC, Magalhães RA, Hunger MS, Martelli A. Treinamento de força e terceira idade: componentes básicos para autonomia. Arch Health Invest. 2015;4(1):37-44.




DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v5i1.1293

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE