Lesões traumáticas em tecidos moles: abrasão, contusão e laceração

Laryssa de Castro Oliveira, Laís Sara Egas Muniz Barreto Valle, Maria Angélica da Silva, Jéssica Noli Couto, Cássio Messias Beija Flor Figueiredo, Thiago Machado, Ana Paula Farnezi Bassi, Daniela Ponzoni

Resumo


A face abriga estruturas ósseas complexas que estão diretamente relacionadas com vários órgãos como os da respiração, visão e audição. A cobertura labial que protege a dentição é a razão para o grande número de traumatismos ao lábio, à gengiva e à mucosa oral que se não forem reparados de maneira adequada, podem evoluir para importantes sequelas estéticas e funcionais para o paciente. As consequências desses traumas aos tecidos moles podem ser: abrasão, laceração, contusão ou perda de tecido. As abrasões são caracterizadas por forças de cisalhamento que removem a camada epitelial superficial, necessitando apenas de uma limpeza adequada do local com soro fisiológico para eliminar fragmentos atípicos ou restos de asfalto. Quando o impacto é paralelo ao lábio e a camada superficial da pele ou mucosa é descolada, os corpos estranhos se adentram na região e caracterizam uma pigmentação chamada de tatuagem de asfalto. Já as lacerações correspondem aos danos cortantes ou perfurantes da estrutura epitelial, possuindo assim grandes extensões e profundidades. Além da limpeza da região, é importante que a parte lacerada seja reposicionada novamente à sua condição de origem por meio de suturas internas e externas em um número mínimo possível para o favorecimento da cicatrização. Quando a direção do impacto é frontal, as bordas incisais dos dentes podem comprimir a região labial com extrema força e causam um corte de grande extensão e profundidade. Caso o impacto seja paralelo ao eixo dos incisivos, as suas bordas podem adentrar em toda a margem labial, ocorrendo a quebra desses elementos e possivelmente o englobamento dos estilhaços nas feridas. Dessa forma o profissional deve sempre explorar a lesão e realizar uma adequada higienização do local, para que todos os fragmentos dentais sejam eliminados. As contusões são caracterizadas por traumas que levam ao edema e hemorragia subcutânea da região afetada. É somente orientado ao paciente a correta higienização do local e administração de anti-inflamatórios e analgésicos bem como  compressas quentes na região edemaciada, seguido de proservação. O protocolo de tratamento dos traumatismos deve ser sempre seguido, pois garante o sucesso da reposição do elemento dentário e do reparo do tecido mole quando este envolvido. Para diagnosticar qualquer uma das lesões apresentadas, é extremamente importante que o profissional mantenha sempre um quadro higiênico da região com uso de soro fisiológico ou solução asséptica realizando o debridamento das lesões a fim de evitar contaminação, usar de exames radiográficos para verificar a deposição de corpos estranhos, fazer o correto reposicionamento e sutura dos tecidos deslocados e dar sequência ao tratamento dos traumas dentoalveolares.

Texto completo:

PDF


Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE