Estratégias de enfrentamento e níveis de ansiedade de mulheres em tratamento psicológico

Rui Mateus Joaquim, Maria de Lourdes Merighi Tabaquim, Tânia Gracy Martins do Valle

Resumo


O presente trabalho objetivou avaliar estratégias de enfrentamento e o nível de ansiedade em mulheres em atendimento psicológico do Centro de Apoio Psicossocial de Bauru. Participaram deste estudo 40 mulheres com idade entre 40 a 62 anos, pacientes psiquiátricos, em atendimento psicológico. Os instrumentos utilizados para a pesquisa foram o Inventário Beck de Ansiedade (BAI) e o Inventário Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus. Para análise estatística foi utilizado o teste não paramétrico de Mann-Whitney para a comparação de dois grupos utilizando como nível de significância 5%. Os resultados do BAI revelaram um índice de ansiedade considerado grave presente no grupo de mulheres em estudo bem como revelaram significância estatística nas estratégias de enfretamento Passividade e Suporte Social. A análise das alternativas que compõem os fatores Suporte social, Fuga Esquiva e Passividade caracterizam em termos de enfretamento o perfil das mulheres ansiosas deste estudo.

Descritores: Estratégias; Ansiedade; Mulheres.


Texto completo:

PDF

Referências


Dessen MA, Costa Junior ALA Ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed; 2005

Leone ET. (2000). Renda familiar e trabalho da mulher na região metropolitana de São Paulo nos anos 80 e 90. In: Rocha MIB. Trabalho e Gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Editora 34; 2000. p.85-110.

Calais SL. Diferenças entre homens e mulheres na vulnerabilidade ao stress. In: Lipp MEM. Mecanismos neuropsicológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003. p.87-90.

Calais SL, Andrade LMB, Lipp MEN. (2003). Diferenças de sexo e escolaridade na manifestação de stress em adultos jovens. Psicol Reflex Crit 2003;16(2):257-63.

Oliveira JB. Fontes e sintomas de stress em juízes e servidores públicos: diferenças entre homens e mulheres. [dissertação de mestrado]. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas; 2004.

Urbano MFG. Stress e qualidade de vida dos pais de crianças com leucemia e o stress da criança. [dissertação de mestrado]. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas; 2004.

Lipp MEN. O stress e a beleza da mulher. São Paulo: Connection Books; 2001.

Shaevitz MH. Síndrome da super mulher. Rio de Janeiro: Record; 1986

Oliveira MC. A família brasileira no limiar do ano 2000. Rev Estud Fem 1996;4 (1):55-63.

Dios VC. A interação entre trabalho e família em mulheres profissionais na área de saúde. [dissertação de mestrado]. Brasília: Instituto de Psicologia da UNB; 1997.

Jablonski B. Atitudes frente à crise do casamento. In: Féres-Carneiro T. Casamento e família: do social à clínica . Rio de Janeiro: Nau;2001. p.81-95

Perlin G, Diniz G. Casais que trabalham e são felizes: mito ou realidade? Psic Clin 2005;17(2):15-29.

Diniz G. Homens e mulheres frente à interação casamento-trabalho: aspectos da realidade brasileira. In: Féres-Carneiro T. Casamento e família: do social à clínica . Rio de Janeiro: Nau;2001. p.31-54.

Verbrugge LM. Multiple roles and physical health of women and men. J Health Soc Behav 1983; 24 (3):16-30.

Rosenfield S. Sex differences in depression: Do women always have higher rates? J Health Soc Behav 1980;21(1):33-42.

Thoits PA. (1983). Multiple identities and psychological well-being: A reformulation and test of the social isolation hypothesis. Am Sociol Rev 1983;48(2):174-87.

Vandewater EA, Ostrove JM, Stewart AJ. Predicting women’s well-being in midlife the importance of personality development and social role involvements. J Pers Soc Psychol. 1997;72 (5):1147-60.

Antoniazzi AS, Dell'Aglio DD, Bandeira DR. O conceito de coping : Uma revisão teórica. Estud Psicol 1998;3:42-54.

Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal, and coping. New York: Springer; 1984.

Vivan AS, Argimon IIL. Estratégias de enfrentamento, difilculdades funcionais e fatores associados em idosos institucionalizados. Cad Saúde Pública 2009; 25(2):436-44.

Lisboa C, Koller SH, Ribas FF, Bitencourt K, Oliveira L, Porciuncula LP, Marchi RB. Estratégias de coping de crianças vítimas e não vítimas de violência doméstica. Psicol Reflex Crit 2002;15(2):345-62.

Lopez DF, Little TD. Children’s action-control beliefsand emotional regulation in the social domain. Developmental Psychology 1996; 32(2): 299-312.

Savóia MG. Instrumentos para a avaliação de eventos vitais e de estratégias de enfrentamento (coping) em situações de estresse. In: Gorenstein LHS, Andrade AWZ. Escalas de avaliação clínica em psiquiatria e psicofarmacologia. São Paulo: Lemos-Editorial;2000. p.377-87.

Zakir NS. Mecanismos de coping. In: Lipp MEM, Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.p. 93-8.

Cerqueira ATAR. O conceito e a metodologia de coping: existe consenso e necessidade? In: Kerbauy RR. Sobre comportamento e cognição. Santo André: Esetec ; 2000. v.5. p.279-89.

Neves EML. Estratégias de enfrentamento após o diagnóstico de câncer. [monografia]. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; 2002

Chaves EC, Cade NV. Enfrentamento e sua relação com a ansiedade e com a depressão em mulheres com hipertensão. Rev Bras de Ter Comp Cogn 2002; 4(1): 1-11.

Medeiros VCC, Peniche ACG. A influência da ansiedade nas estratégias de enfrentamento estratégias de enfrentamento utilizadas no período pré- utilizadas no período pré-operatório. Rev Esc Enferm USP 2006; 40(1):86-92

Ravagnani LMB, Domingos NAM, Miyazaki MCOS. Qualidade de vida e estratégias de enfrentamento em pacientes submetidos a transplante renal. Estud psicol 2007; 12(2):177-84.

Beresford BA. Resources and strategies: how parents cope with the care of a disabled child. J Child Psychol Psychiatr 1994; 35:(1): 171–209

Alegrance FC, Souza CB, Mazzei RL. Qualidade de vida e estratégias de enfrentamento em mulheres com e sem linfedema pós-câncer de mama. Rev Bras Cancerol 2010; 56(3):341-51.

Moeller JE. A resiliência no perfil do empreendedor catarinense, a partir da aplicação das cinco características identificadas por Daryl R.Conner. [dissertação de mestrado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2002.

Borcsik SPL. Avaliação da ansiedade e do enfrentamento de executivos em situação de desemprego. [dissertação de mestrado]. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista.de São Paulo; 2010.

Monsen RB; Floyd L, Brookman JC. Stress, coping-adaptation: Concepts for nursing. Nursing Form 1992; 27 (4) 27 – 32.

Endler NS, Parcker JDA. Multidimensional assessment of coping: A critical evaluation. J Pers Soc Psychol. 1990;58 (5):844-54.

Fishel AH. Nursing management of anxiety and panic. Nurs Clin North Am 1998; 33 (1):135-51.

Bee H. O ciclo vital. Porto Alegre:Artmed; 1997.

Papalia DE, Olds SW. Desenvolvimento Humano. 8ªed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Beck AT, Steer RA. Beck Anxiety Inventory Manual. San Antonio (Tx): Psychological Corporation; 1993.

Savóia MG, Santana PR, Mejias NP. Adaptaçäo do inventário de estratégias de coping de Folkman e Lazarus para o português. Psicol USP 1996; 7(1/2): 183-201.

Cunha JA. Manual da Versão em Português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2001.

Zinbarg RE1, Brown TA, Barlow DH, Rapee RM. Anxiety sensitivity, panic, and depressed mood: a reanalysis teasing apart the contributions of the two levels in the hierarchial structure of the Anxiety Sensitivity Index. 2001 J Abnorm Psychol.;110(3):372-7.

Wittchen HU. Generalized anxiety disorder: prevalence, burden, and cost to society. Depress Anxiety. 2002;16(4):162-71.

Polisseni AF, de Araújo DA, Polisseni F, Mourão Junior CA, Polisseni J, Fernandes ES, Guerra Mde O. Depression and anxiety in menopausal women: associated factors. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009 Mar;31(3):117-23.

Zamignani DR, Banaco RA. Um panorama analítico-comportamental sobre os transtornos de ansiedade. Rev Bras de Ter Comp Cogn 2005;7:77-92

Savóia MG. Relação entre eventos vitais e mecanismos de coping no transtorno do pânico.[tese de doutorado] São Paulo: Instituto de Psicologia da USP; 1995.

Oliveira KL, Santos AAA, Cruvinel M, Néri AL. Relação entre ansiedade depressão e desesperança em idosos. Psicol estud 2006;11(2): 351-59.

Clark DM. Estados de ansiedade, pânico e ansiedade generalizada. In: Hawton PM, Salkovskis PM, Kirk J, Clark DM. Terapia cognitivo-comportamental para problemas psiquiátricos um guia prático. São Paulo: Martins Fontes; 1997.




Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE