Malformação capilar jugal x trauma parafuncional: relato de caso e tratamento

  • Juliana dos Santos Cativo Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Estado do Amazonas (ESA-UEA) Cachoeirinha - 69065.001 Manaus-AM, Brasil
  • Lioney Nobre Cabral Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Estado do Amazonas (ESA-UEA) Cachoeirinha - 69065.001 Manaus-AM, Brasil
  • Tiago Novaes Pinheiro Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Estado do Amazonas (ESA-UEA) Cachoeirinha - 69065.001 Manaus-AM, Brasil
  • Myrian Salles Vieira Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Estado do Amazonas (ESA-UEA) Cachoeirinha - 69065.001 Manaus-AM, Brasil
  • Antonio Jorge de Araujo Vasconcelos II Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Estado do Amazonas (ESA-UEA) Cachoeirinha - 69065.001 Manaus-AM, Brasil
Palavras-chave: Malformações Vasculares, Escleroterapia, Transtornos da Articulação Temporomandibular, Placas Oclusais

Resumo

As malformações vasculares são anomalias estruturais dos vasos sanguíneos sem proliferação endotelial, estão presentes ao nascimento e persistem ao longo da vida. Elas podem ser categorizadas de acordo com o tipo de vaso envolvido (capilar, venoso, arteriovenoso) e de acordo com as características hemodinâmicas (baixo fluxo ou alto fluxo). Possuem uma etiologia variável, como fatores químicos, mutações genéticas ou alterações relacionadas a síndromes, fluxo sanguíneo, resistência da parede vascular e trauma. Neste caso, a malformação vascular apresentada pela paciente tem relação com o trauma em mucosa jugal devido a atividade parafuncional presente. Atividade parafuncional refere-se a qualquer atividade que não seja considerada funcional, como apertar e/ou ranger os dentes durante o dia e/ou à noite, mascar chicletes, morder bochecha, lábios e língua. Algumas destas atividades podem ser responsáveis por concorrer para a Disfunção Temporomandibular (DTM), pois promovem hiperatividade muscular mastigatória. Dor muscular, restrição de abertura de boca, sensação de plenitude auricular, zumbido na orelha e vertigem foram alguns dos sintomas apresentados pela paciente. Diante desse quadro, além de tratar a malformação vascular com uma combinação de escleroterapia e excisão cirúrgica, foi também tratado o quadro disfuncional, para seu controle e resolução além da prevenção de recidiva da lesão, com a utilização de placa miorrelaxante combinada com a realização de exercícios fisioterápicos, mostrando-se eficazes, contendo a sintomatologia, restringindo a atividade parafuncional e reduzindo o trauma na mucosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia Oral e Maxilofacial. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009.

Kuriakose MA, Chakrabarti S, Cheong SC, Kowalski LP, Novaes Pinheiro T, Farah CS. Head and neck tumors. In: Farah C, Balasubramaniam R, McCullough M (eds). Contemporary oral medicine. Springer. Cham; 2019.

Buckmiller LM, Richter GT, Suen JY. Diagnosis and management of hemangiomas and vascular malformations of the head and neck. Oral Dis. 2010;16(5):405-18.

Horbach SE, Lokhorst MM, Saeed P, de Goüyon Matignon de Pontouraude CM, Rothová A, van der Horst CM. Sclerotherapy for low-flow vascular malformations of the head and neck: A systematic review of sclerosing agents. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2016;69(3):295-304.

Wassef M, Blei F, Adams D, Alomari A, Baselga E, Berenstein A et al. Vascular anomalies classification: recommendations from the international society for the study of vascular anomalies. Pediatrics.2015;136(1): e203-14.

Li J, Chen J, Zheng G, Liao G, Fu Z, Li J et al. Digital subtractionangiography-guided percutaneous sclerotherapy of venous malformations with pingyangmycin and/or absolute ethanol in the maxillofacial region. J Oral MaxillofacSurg 2010;68:2258-266.

Burrows PE, Manson KP. Percutaneus treatment of low flow vascular malformations. J Vasc Interv Radiol. 2004;15:431-45.

Ozaki M, Kurita M, Kaji N, Fujino T, Narushima M, Takushima A et al. Efficacy and evaluation of safety of sclerosants for intramuscular venous malformations: clinical and experimental studies. J Plast Surg Hand Surg. 2010;44:75-87.

Medeiros SP, Batista AUD, Forte FDS. Prevalência de sintomas de disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em estudantes universitários. Rev Gauch Odontol. 2011;59(2):201-8.

Bortolleto PPB, Moreira APSM, Madureira PR. Analyses parafunctional habits and association with Temporomandibular Disorder. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2013;67(3):216-21.

Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 6. ed. São Paulo: Elsevier; 2008.

Vasconcelos IGS, Venâncio GN, Silva FB. Tratamento de disfunção temporomandibular com placa oclusal: relato de caso. Arch Health Invest. 2018;7(6):205-9.

Okeson JP, De Leeuw R. Differential diagnosis of temporomandibular disorders and other orofacial pain disorders. Dent Clin N Am. 2011;55:105-20.

Marquezan M, Figueiro C. Alternativa de tratamento de disfunção temporomandibular em um paciente portador de prótese total maxilar e prótese parcial removível mandibular: relato de caso. Rev Dentística Online. 2007;7:77-84.

Blanco-Hungría A, Blanco-Aguilera A, Blanco-Aguilera E, Serrano-del-Ro¬sal R, Biedma-Velázquez L, Rodríguez-Torronteras A et al. Prevalence of the different Axis I clinical subtypes in a sample of patients with orofacial pain and temporomandibular disorders in the Andalusian Healthcare Service. Rev Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2016;21:169-77.

Maluf SA, Moreno BGD, Alfredo PP, Amélia Pasqual Marques AP, Rodrigues G. Exercícios terapêuticos nas desordens temporomandibulares: uma revisão de literatura. Fisioter Pesq. 2008;15(4):408-15.

Oliveira KB, Pinheiro ICO, Freitas DG, Gualberto HD, Carvalho NAA. A abordagem fisioterapêutica na disfunção da articulação temporomandibular. Revisão da literatura. Med Reabil. 2010;29(3):61-4.

Peliciol M, Myra RP, Florianovicz VC, Batista JS. Physiotherapeutic treatment in temporomandibular disorders. Rev Dor. 2017;18(4):355-61.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Cativo, J. dos S., Cabral, L. N., Pinheiro, T. N., Vieira, M. S., & de Araujo Vasconcelos II, A. J. (2021). Malformação capilar jugal x trauma parafuncional: relato de caso e tratamento. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 921-927. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5016
Seção
Original Articles