Existe relação entre a prevalência de disfunção temporomandibular e a fase do curso durante a graduação?

  • Antônio Marcos de Souza Prates Acadêmico de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Edilaine Soares Santos Acadêmica de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Fabiele Perpétua Chagas Sabatim Barros Acadêmica de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Karolina Nunes Freitas Morais Acadêmica de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Rachel Silva Lima Acadêmica de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Valthierre Nunes de Lima Professor Doutor, Docente das Disciplinas de Cirurgia Oral, Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial do Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP), 15025-400, São José do Rio Preto – SP, Brasil
  • Lamis Meorin Nogueira Professora Doutora, Docente das Disciplinas de Anatomia Humana e Cirurgia Oral do Centro Universitário do Norte Paulista (UNORP), 15020-040, São José do Rio Preto – SP, Brasil
Palavras-chave: Articulação Temporomandibular, Dor Facial, Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular, Transtornos da Articulação Temporomandibular

Resumo

Introdução: As desordens do complexo craniomandibular são caracterizadas por distúrbios musculoesqueléticos que estão intimamente ligados ao seu difícil diagnóstico, em virtude da etiologia multifatorial da disfunção temporomandibular. Objetivo: Averiguar a possível relação existente da prevalência de sintomatologia da disfunção temporomandibular em universitários com o período do curso, de acordo com as variáveis de grau da disfunção, período matriculado, gênero sexual e idade. Material e método: O estudo foi composto por 182 acadêmicos, na qualidade de voluntário, compreendidos do segundo ao décimo período, regularmente matriculados no 2o semestre do curso de Odontologia, no ano de 2019, em uma universidade privada de São José do Rio Preto-SP, Brasil. O questionário utilizado foi proposto pela Academia Americana de Dor Orofacial, contendo dez questões com respostas objetivas do tipo sim/não, acerca dos sintomas mais frequentes de dor orofacial e disfunção temporomandibular. O Índice Anamnésico de Fonseca foi utilizado para avaliar o grau de disfunção dos estudantes, com valor de 0 ou 10 pontos por questão, totalizando a somatória de até 100 pontos. Resultados: Os voluntários mais acometidos pela sintomatologia foram os presentes no oitavo e décimo período do curso, havendo menor prevalência nos integrantes do quarto período. Verificou-se que o gênero feminino obteve maior prevalência de sintomatologia quando comparado ao masculino, com faixa etária de 18 a 47 anos de idade. Conclusão: A prevalência da sintomatologia de disfunção temporomandibular em universitários parece ter relação à época do curso, pois os estudantes matriculados nos estágios finais do curso demonstraram maior predomínio de disfunção temporomandibular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Donnarumma MDC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Disfunções Temporomandibulares: sinais, sintomas e abordagem multidisciplinar. Rev CEFAC. 2010; 12(5):788-94.

Pereira KNF, Andrade LLS, Costa MLG, Portal TF. Sinais e sintomas de pacientes com disfunção temporomandibular. Rev CEFAC. 2005;7(2):221-28.

Alves-Rezende MCR, Silva JS, Soares BMS, Bertoz FA, Oliveira DTN, Claro APRA. Estudo da prevalência de sintomatologia temporomandibular em universitários brasileiros de odontologia. Rev Odontol Araçatuba. 2009;30(1):9-14.

Bezerra BPN, Ribeiro AIAM, Farias ABL, Farias ABL, Fontes LBC, Nascimento SR, et al. Prevalência da disfunção temporomandibular e de diferentes níveis de ansiedade em estudantes universitários. Rev DOR. 2012;13(3):235-42.

Goyatá FR, Taira NV, Almeida S, Silva DM, Taira CV. Avaiação de sinais e sintomas de disfunção temporomabndibular entre acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ. Int J Dent. 2010;9(4):181-86.

Figueiredo VMG, Cavalcanti AL, Farias ABL, Nascimento SR. Prevalência de sinais, sintomas e fatores associados em portadores de disfunção temporomandibular. Acta Sci Health Sci. 2009;31(2):159-63.

Portinho CP, Collares MVM, Faller GJ, Fraga MM, Pinto RA. Perfil dos pacientes com disfunção temporomandibular. ACM arq catarin med. 2012;41(1):95-9.

Ferreira CLP, Da Silva MAMR, Felício CM. Sinais e sintomas de desordem temporomandibular em mulheres e homens. CoDAS. 2016;28(1):17-21.

Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do 1º Consenso em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20.

Daher CRM, Cunha LF, Ferreira APL, Souza AISO, Rêgo TAM, Araújo MGR, et al. Limiar de dor, qualidade de sono e níveis de ansiedade em indivíduos com disfunção temporomandibular. Rev CEFAC. 2018;20(4): 450-58.

Sena MF, De Mesquita KSF, Santos FRR, Silva FWGP, Serrano KVD. Prevalência de disfunção temporomandibular em crianças e adolescentes. Rev Paul Pedriatr. 2013;31(4): 538-45.

Minghelli B, Cardoso I, Porfírio M, Gonçalves R, Cascalheiro S, Barreto V, et al. Prevalence of temporomandibular disorder in children and adolescents from public schools in southern Portugal. N Am J Med Sci. 2014;6(3):126-32.

Deng YM, Fu MK, Hägg U. Prevalence of temporomandibular joint dysfunction (TMJD) in Chinese children and adolescents. A cross-sectional epidemiological study. Eur J Orthod. 1995;17(4):305-9.

Winocur E, Gavish A, Finkelshtein T, Halachmi M, Gazit E. Oral habits among adolescent girls and their association with symptoms of temporomandibular dis¬orders. J Oral Rehabil. 2001;28(7):624-9.

Paulino MR, Moreira VG, Lemos GA, Da Silva PLP, Bonan PRF, Batista AUD. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em estudantes pré-vestibulandos: associação de fatores emocionais, hábitos parafuncionais e impacto na qualidade de vida. Ciên Saúde Colet. 2018; 23(1):173-86.

Schmitter M, Rammelsberg P, Hassel A. The preva¬lence of signs and symptoms of temporomandibular disorders in very old subjects. J Oral Rehabil. 2005;32(7):467-73.

Cavalcanti MOA, Lima CMC, Lima JMC, Gomes I, Gordim JR. Estud Interdiscipl Envelhec. 2015;20(2):551-66.

Fernandes AUR, Garcia AR, Zuim PRJ, Cunha LDP, Marchiori AV. Desordem temporomandibular e ansiedade em graduandos de odontologia. Cien Odontol Bras. 2007;10(1):70-7.

Oliveira KL, Almeida GA, Lelis ER, Tavares M, Fernandes Neto AJ. Temporomandibular disorder and anxiety, quality of sleep, and quality of life in nursing profissionals. Braz Oral Res. 2015;29(1):1-7.

Medeiros SP, Batista AUD, Forte FDS. Prevalência de sintomas de disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em estudantes universitários. Rev Gaúch Odontol. 201;59(2):201-8.

Oliveira AS, Dias EM, Contato RG, Berzin F. Prevalence study of signs and symptoms of temporomandibular disorder in Brazilian college students. Braz Oral Res. 2006;20(1):3-7.

Scheffer CAC, Frigo LF. Relação da incidência de sintomas de disfunção temporomandibular com a qualidade de vida em estudantes universitários. Fisioter Bras. 2012;13(6):446-51.

Chaves TC, Oliveira AS, Grossi DB. Principais instrumentos para avaliação da disfunção temporomandibular; parte I: índices e questionários; uma contribuição para a prática clínica e de pesquisa. Fisioter Pesqui. 2008; 15(1):92-100.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Prates, A. M. de S., Santos, E. S., Barros, F. P. C. S., Morais, K. N. F., Lima, R. S., Lima, V. N. de, & Meorin Nogueira, L. (2021). Existe relação entre a prevalência de disfunção temporomandibular e a fase do curso durante a graduação?. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 941-948. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5021
Seção
Original Articles