Tratamento farmacológico e não farmacológico da disfunção temporomandibular: uma revisão da literatura

  • Ozanna Soares Medeiros de Araújo
  • José Henrique de Araújo Cruz
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho
  • Maria Angélica Satyro Gomes Alves
Palavras-chave: Transtornos da Articulação Temporomandibular, Dor Facial, Terapêutica

Resumo

Introdução: A disfunção temporomandibular tem sido reconhecida como uma das causas das dores orofaciais, nesta condição existe o envolvimento da articulação temporomandibular como também os músculos da mastigação. Esta disfunção têm sido identificado por alguns sintomas e sinais característicos como, pontos de gatilho musculares, comprometimento da dimensão vertical de oclusão, modificações na oclusão dental, luxação e a subluxação da mandíbula. Objetivo: Este trabalho objetiva a identificação e a análise dos tratamentos farmacológicos (anti-inflamatórios não esteroidais; anti-inflamatórios esteroidais; antidepressivos tricíclicos; relaxantes musculares e também os anestésicos locais) e não farmacológicos, estes incluídos no tratamento alternativos utilizados na disfunção temporomandibular (Acupuntura, Toxina botulínica, Estimulação nervosa elétrica transcutânea, e Técnicas de massoterapia. Material e métodos. Metodologia: Foram escolhidos 41 artigos presentes em plataformas cientificas, como o Periódico Capes, PubMed, Scielo e Google Acadêmico, no período de publicação entre 2006 e 2019. Conclusão: Por fim, nota-se que a disfunção temporomandibular é uma condição que acomete muito a população e que  sua terapia pode ser realizada de diversas formas, desde com a terapia medicamentosa como também a realização de tratamentos alternativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade ED, Silva ARS, Bentes APG, Barbosa CMR, Brito FC, Fiol FS, Groppo F et al. Terapêutica medicamentosa em Odontologia. 3 ed. São Paulo: Artes Médicas; 2014.

Tosato JP, Caria PHF. Prevalência de dtm em diferentes faixas etárias. RGO. 2006; 54(3):211-24.

Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do 1º Consenso em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20.

Okeson JP. Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013

Bouloux GF. Use of opioids in long-term management of temporomandibular joint dysfunction. J Oral Maxillofac Surg. 2011;69(7):1885-89.

Gil AC. Métodos e Técnicas de Pesquisa. 6 ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente Programa. Brasília; 2014. 42 p.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O que devemos fazer sobre os medicamentos. São Paulo; 2010. 104 p.

Guimarães RS, Taveira CC. Fundamentos de Farmacologia. 2 ed. Brasília: NT Editora; 2014.

Sharma S, Tabassum F, Khurana S, Kapoor K. Frontline worker perceptions of medication safety in India. Ther Adv Drug Saf. 2016;7(6):248-60.

Teixera TCA, Cassiani SHB. Análise de causa raiz de acidentes por quedas e erros de medicação em hospital. Acta Paul Enferm. 2014;27(2):100-7.

Instituto Brasileito de Geografia e Estetística (IBGE). Pesquisas de Orçamentos Familiares. 2012. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/ home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009_analise_consumo/pofanalise_2008_2009.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2019.

Lynch ME, Watson PN. The pharmacotherapy of chronic pain: a review. Pain Res Manag.2006;11(1):11-38.

Hilário MOE, Terreri MT, Len CA. Nonsteroidal anti-inflammatory drugs: cyclooxygenase 2 inhibitors. J Pediatr. 2006;82(5 Suppl):S206-12.

Carvalho WA. Antiinflamatórios não esteroides, analgésicos, antipiréticos e drogas utilizadas na tratamento da gota. In: Silva P. Farmacologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. p. 439-466.

Batlouni M. Anti-Inflamatórios não esteroides: efeitos cardiovasculares, cérebrovasculares e renais. Arq Bras Cardiol. 2010;94(4):556-63.

Dym H, Israel H. Diagnosis and treatment of temporomandibular disorders. Dent Clin North Am. 2012; 56(1):149-61.

Yagiela JA, Dowd, FJ, Johnson, BS, Mariotti, AJ, Neidle, EA, et al. Farmacologia e Terapêutica para Dentistas. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

Katzung BG, Trevor AJ. Farmacologia Básica e Clínica. 12 ed. Porto Alegre: Amgh; 2014.

Vicent A, Loffi AOB, Nesi H. Uso de corticosteroide no pré-operatório em cirurgia de terceiros molares. Rev bras odontol. 2013;70(1):22-7.

Garrote CEM, Teixeira ML, Ramacciato JC, Motta, RHL. Antidepressivos em Odontologia: indicações e cuidados. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2010;64(4):294-95.

Melo GM. Terapia farmacológica em disfunções temporomandibulares: uma breve revisão. Dentística online. 2011;10(21):36-40.

Medawar CV, Matheus ME. Antidepressivos Tricíclicos e Gabapentinóides: uma análise do perfil farmacológico no tratamento da dor neuropática. Rev Bras Farm. 2012;93(3):290-97.

Goodman LS, Gilman A. As bases farmacológicas da terapêutica. 11.ed. Porto Alegre: Amgh; 2010. p.460-61.

Cascaes LHFS, Oliveira JC. Evidências sobre relaxantes musculares de uso ambulatorial: Uma revisão da literatura. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-14.

Rang HP, Ritter JM. Farmacologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

Veering B. Complications and local anaesthetic toxicity in regional anaesthesia. Curr Opin Anaesthesiol. 2003;16(5):455-59

Muri EMF, Sposito MMM, Metsavaht L. Efeitos secundários potencialmente desejáveis dos anestésicos locais. Acta Fisiatr. 2010;17(1):28-33.

Zotelli VRL, Meirelles MOMR, Souza ML. R. Uso da acupuntura no manejo da dor em pacientes com alterações na articulação temporomandibular (ATM). Rev Odontol Universidade Cidade de São Paulo. 2010;22(2):185-8.

Borin GS, Corrêa EC, Silva AMT, Milanesi JM. Acupuntura como recurso terapêutico na dor e na gravidade da desordem temporomandibular. Fisioter Pesq. 2011;18(3):217-22.

Florian MR, Meirelles MPMR, Sousa MLR. Disfunção temporomandibular e acupuntura: uma terapia integrativa e complementar. Odontol Clín-Cient. 2011;10(2):189-92.

Oliveira CSV. Tratamento de DTM musculares com toxina botulínica-A [monografia]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná - UFPR; 2013.

Gonçalves BM. Uso da toxina botulínica em Odontologia [monografia]. Florianópolis: Centro de Ciências da Saúde - UFSC;2013.

Bicalho MB, Delgado FPE, Borini CB. Toxina botulínica no tratamento da disfunção temporomandibular. Polit Saúde Coletiva. 2015;1(2):153-61.

Dall' Antonia M, Oliveira Netto RM, Sanches ML, Guimarães AS. Dor miofascial dos músculos da mastigação e toxina botulínica. Rev dor. 2013;14(1):52-7.

Almeida AM. Estimulação Nervosa Eléctrica Transcutânea (TENS) no tratamento da Disfunção Temporo-Mandibular [dissertação]. Lisboa: Universidade de Lisboa;2012.

Grossmann E, Tambara JS, Grossmann TK, Siqueira JTT. O uso da estimulação elétrica nervosa transcutânea na disfunção temporomandibular. Rev dor. 2012;13(3):271-76.

Sabino GS, Santos CM, Francischi JN, de Resende MA. Release of endogenous opioids following transcutaneous electric nerve stimulation in an experimental model of acute inflammatory pain. J Pain. 2008;9(2):157-63.

Ferreira ASM, Lauretti GR. Massoterapia como técnica no controle da dor em pacientes oncológicos sob cuidados paliativos.Rev Pratica hospitalar. 2007;9(53):161-63.

Gama MCS. Efeito de técnicas de massoterapia no tratamento da DTM miogênicas: um estudo clínico randomizado placebo controlado. Piracicaba: Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP; 2012.

Capellini VK, Souza GS, Faria CRS. Massoterapia para o tratamento da DTM miogênica: um estudo piloto. J Appl Oral Sci. 2006;14(1):21-6.

Publicado
2020-10-22
Como Citar
Araújo, O. S. M. de, Cruz, J. H. de A., Oliveira Filho, A. A. de, & Alves, M. A. S. G. (2020). Tratamento farmacológico e não farmacológico da disfunção temporomandibular: uma revisão da literatura. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(2), 192-199. https://doi.org/10.21270/archi.v10i2.4824
Seção
Original Articles