Câncer de língua x trauma crônico e xerostomia: há relação?

  • Yamille De Lima Souza Curso de Graduação em Odontologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) 69065-001, Manaus - AM, Brasil
  • Tiago Novaes Pinheiro Professor Adjunto, Curso de Graduação em Odontologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) 69065-001, Manaus - AM, Brasil
  • Lioney Nobre Cabral Professor Adjunto, Curso de Graduação em Odontologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) 69065-001, Manaus - AM, Brasil
Palavras-chave: Carcinoma de Células Escamosas, Saliva, Pontos-Gatilho, Homeostase

Resumo

O carcinoma espinocelular (CEC) é a neoplasia maligna mais comum da cavidade oral, sendo seus agentes etiológicos principais: o álcool, tabaco e o Papilomavirus Humano (HPV) de alto risco, porém, existem outras possibilidades etiopatogênicas ainda não amiudadas pela ciência. Este trabalho relata caso de paciente do gênero feminino, 48 anos, não tabagista, não etilista e sem sinal de infecção pelo vírus HPV, com queixa de lesão nodular em ventre lingual. Relatou hábito de “chupar a língua” desde tenra idade, boca seca e ardência bucal há alguns meses e, ao exame físico, apresentou ordenha negativa das glândulas parótidas, baixa coleta nas sublinguais e submandibulares. Apresentava sinais de comprometimento muscular cervical, massetérico e, por conseguinte, bucinatório, condição que pode concorrer fisicamente para estenose do ducto parotídeo e redução da secreção parotídea. Após diagnóstico de CEC, a paciente foi submetida a tratamento cirúrgico, radio e quimioterápico. Para o controle do hábito parafuncional, provavelmente relacionado à lesão que evoluiu para o CEC, foram realizados: uso de dispositivo interoclusal, fisioterapia e crioterapia com prescrição de saliva artificial e creme reparador para as lesões mucosas, decorrentes da hipo/assialia. Consideramos que a associação do trauma crônico, fator modificador clássico, resultante da atividade parafuncional e a redução do fluxo salivar promovida- entre outras razões orgânicas primárias, prévias ao tratamento radio e quimioterápico- pelo potencial estreitamento do ducto de Stenon em razão da disfunção mastigatória, como promotora da perda de homeostasia local e não controle de iniciadores endógenos e/ou exógenos, concorreram para o desenvolvimento da condição neoplásica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carli ML, Santos SL, Pereira AAC, Hanemann JAC. Características clínicas, epidemiológicas e microscópicas do câncer bucal diagnosticado na Universidade Federal de Alfenas. Rev Bras Cancerol. 2009;55(3):205-11.

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Estatísticas de Câncer. Rio de Janeiro: 2018.

Neville WD, Damm DD, Bouquot JE. Patologia Oral e Maxilofacial. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016. Capítulo 10, Patologia Epitelial; p. 374- 89.

Mizone-Ono L, Araújo JLP, Dos-Santos MC. Componentes das imunidades inata e adaptativa presentes na saliva humana. Rev Odont UNESP. 2006;35(4):253-61.

Takubo T, Yamane T, Tsuda I, Tagawa S, Tatsumi N. Polymorphonuclear neutrophils in saliva and blood: a comparative study of morphology, function and phenotype. Br J Biomed Sci. 1997;54:260-6.

Fábián TK, Hermann P, Beck A, Fejérdy P, Fábián G. Salivary defense proteins: their network and role in innate and acquired oral immunity. Int J Mol Sci. 2012;13(4):4295-320.

Hernández AA, Aránzazu GC. Características y propiedades físico-químicas de la saliva: una revisón. Ustasalub. 2012;11:101-11.

Falcão DP, Mota LMH, Pires Al, Bezerra ACB. Sialometria: aspectos de interesse clínico. Rev Bras Reumatol. 2013;53(6):525-31.

Navazesh M, Brightman VJ, Pogoda JM. Relationship of medical status, medications, and salivary flow rates in adults of diferente ages. Oral Surg Oral Med Oral Radiol Endod. 1997;81(2):172-76.

Martins BLA, Braga DRLM, Cabral LN. Disfunção massetérica e sialoadenite de refluxo: relato de caso. Arch Health Invest. 2019;8(1):43-7.

Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 6. ed. São Paulo: Elsevier; 2008. p. 229-66.

Silva CC, Amaral B, Bulhosa JF. Carcinoma Espinocelular da Língua - Fatores de Risco e Importância do Reconhecimento de Lesões Pré-Malignas. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac. 2010;51:49-55.

Bortolleto PPB, Moreira APSM, Madureira PR. Análise dos hábitos parafuncionais e associação com Disfunção das Articulações Temporomandibulares. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2013;67(3):216-21.

Amantea DV, Novaes AP, Campolongo GD, Barros TP. A importância da avaliação postural no paciente com disfunção da articulação temporomandibular. Acta ortop. bras. 2004;12(3):155-59.

Halmova K, Holly D, Stanko P. The influence of cranio-cervical rehabilitation in patients with myofascial temporomandibular pain disorders. Bratisl Med J. 2017;118(11):710-13.

Freitas DG, Pinheiro ICO, Vantin K, Meinrath NCM, Carvalho NAA. Os efeitos da desativação dos pontos-gatilho miofasciais, da mobilização articular e do exercício de estabilização cervical em uma paciente com disfunção temporomandibular: um estudo de caso. Fisioter mov. 2011;24(1):33-8.

Portero PP, Kerzan R, Kusma SZ, Grau-Grullón P. Placas oclusais no tratamento da disfunção temporomandibular (DTM). Gestão & Saúde. 2009;1(1):36-40.

Massena P, Frassetto SS. Aspectos psicológicos associados à disfunção temporomandibular: uma revisão sistemática da literatura. Aletheia. 2015;47/48:169-182.

Chrousos GP. Stress and disorders of the stress system. Nat Rev Endocrinol. 2009;5:374-81.

Perez MA, Raimondi AR, Itoiz ME. An experimental model to demonstrate the carcinogenic action of oral chronic traumatic ulcer. J Oral Pathol Med. 2005;34(1):17- 22.

Publicado
2021-02-24
Como Citar
Souza, Y. D. L., Pinheiro, T. N., & Cabral, L. N. (2021). Câncer de língua x trauma crônico e xerostomia: há relação?. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(3), 414-418. https://doi.org/10.21270/archi.v10i3.4983
Seção
Original Articles