Análise da oferta da Disciplina de Fitoterapia nos Cursos de Odontologia do nordeste brasileiro

  • Jessika Paiva Medeiros Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
  • Josilanny Araújo de Souza Alencar Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
  • André Higor dos Santos Tavares Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
  • Débora Laís de Sousa Castro Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
  • Olga Batista Cipriano Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
  • Elizandra Silva Penha Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil http://orcid.org/0000-0001-6264-5232
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, 58708-110 Patos- PB, Brasil
Palavras-chave: Educação, Fitoterapia, Odontologia

Resumo

Introdução: As Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Odontologia permite a formação de profissionais éticos, humanos, reflexivos e que possam compreender a realidade da localidade em que estão inseridos. Dessa forma, a implementação do componente curricular de Fitoterapia aplicada à Odontologia e afins se faz necessário, uma vez que muitos cirurgiões dentistas não aderem a essa terapêutica por não possuírem conhecimento suficiente. Objetivo: O presente trabalho verificou a presença da disciplina de Fitoterapia na matriz curricular dos cursos de Odontologia nas universidades da região Nordeste do Brasil. Material e Métodos: Trata – se de um estudo do tipo descritivo, segundo dados coletados no site eletrônico do Ministério da Educação (MEC). Esse permitiu a análise de todos os sites dos cursos de Odontologia das Instituições de Ensino Superior da região Nordeste do Brasil. O objeto de estudo compreendeu 157 universidades, entretanto após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, obteve- se uma amostra de 69 universidades. Resultados: Do total de universidades que apresentaram matriz curricular completa em seus sítios eletrônicos, apenas 04 (5,80 %) disponibilizaram a Fitoterapia como disciplina, já as outras 65 (94,20 %) não ofertaram o componente curricular em questão. Conclusão: Por intermédio dos resultados obtidos, foram encontrados um número escasso de universidades tanto públicas como privadas que oferecem a disciplina de fitoterapia no Nordeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n o 3 de 19 de fevereiro de 2002. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/cne/ arquivos/pdf/CES032002.pdf >

Costa DAS, Silva RFD, Lima VV, Ribeiro ECO. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface. 2018; 22(67):1183-95.

Noro LRA, Roncalli AG, dos Santos Medeiros MC, de Santana Farias-Santos BC, Pinheiro I AG. Relação entre conteúdos das disciplinas de curso de Odontologia e os ENADE 2004/2010. Avaliação. 2017; 22(1):125-39.

Noro L. Como estruturar um currículo integrado num curso de odontologia? Ciência Plural. 2019;5(1):1-17.

Anastasiou LDGC. Avaliação, ensino e aprendizagem: anotações para ações em currículo com matriz integrativa. Novas subjetividades, currículo, docência e questões pedagógicas na perspectiva da inclusão social. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2006; Recife. Pernambuco. p. 69-90.

Emmi DT, Silva DMC, Barroso RFF. Experiência do ensino integrado ao serviço para formação em Saúde: percepção de alunos e egressos de Odontologia. Interface. 2018; 22(64):223-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Disponível em: https://www.saude.gov.br/ acoes-e-programas/programa-nacional-de-plantas-medicinais-e-fitoterapicos-ppnpmf.

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-pires RO. Fitoterapia na atenção primária à saúde: Phytotherapy in primary health care. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):541-53.

Bohneberger G, Machado MA, Debiasi MM, Dirschnabel AJ, de Oliveira Ramos G. Fitoterápicos na odontologia, quando podemos utilizá-los?/Phytotherapy in dentistry, when can we use them? Braz J Hea Rev. 2019;2(4): 3504-517.

Camargo EES. Avaliação dos programas de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos, visando subsidiar a sua reorientação no Sistema Único de Saúde [tese]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista, UNESP; 2010.

Haraguchi LMM, Sañudo A, Rodrigues E, Cervigni H, Carlin ELDA. Impacto da Capacitação de Profissionais da Rede Pública de Saúde de São Paulo na Prática da Fitoterapia. Rev Bras Educ Méd. 2020;44(1):1-11.

Lucas BB, Júnior JLRV, Besegato JF, Caldarelli PG. Ensino da Odontologia Hospitalar no Sul do Brasil. Rev ABENO. 2017;17(2):68-75.

Assis C. Plantas medicinais na Odontologia. Rev bras odontol 2009;66(1):72-5.

Lima Júnior JF, Dimenstein M. Fitoterapia na Saúde Pública em Natal/RN: visão do odontólogo. Saúde Rev. 2006;8(19):37-44.

Dantas ICM, Lucena EES, Lima AMP. Avaliação do conhecimento e uso de plantas medicinais e fitoterápicos por dentistas do Seridó Potiguar/RN. Fitos. 2020;14(3):372-81.

Weisheimer N, Costa Filho PF, Neves RPC, Sousa RM, Pinto DS, Lemos VM. Fitoterapia como alternativa terapêutica no combate à obesidade. Rev Ciênc Saúde Nova Esperança. 2015;13(1):103-11.

Souza Junior AM, Soares JF, Rodrigues Neto SC, Simões APG, Oliveira Filho AA. Perspectiva do uso de punica granatum e plantago major no tratamento de úlcera traumática. Arch Health Invest. 2019; 8(11):740-45.

Veiga Junior Valdir Florencio da. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev bras farmacogn. 2008;18(2):308-13.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Medeiros, J. P., Alencar, J. A. de S., Tavares, A. H. dos S., Castro, D. L. de S., Cipriano, O. B., Penha, E. S., & Oliveira Filho, A. A. de. (2021). Análise da oferta da Disciplina de Fitoterapia nos Cursos de Odontologia do nordeste brasileiro. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 960-964. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5032
Seção
Original Articles