Perfil dos óbitos por asfixia perinatal em maternidade pública do sul do Brasil

  • Julia Simões Pabis
  • Maria Augusta Baptista Guimbala
  • Caroline Louise Machado
  • Patricia Zanotelli Cagliari
  • Milena Luisa Schulze
  • Cristiane Cover Sbeghen
  • Maria Volpato Kropiwiec
  • Francisco Cesar Pabis
Palavras-chave: Asfixia, Assistência Perinatal, Morte Perinatal, Maternidades, Asfixia Neonatal

Resumo

Introdução: A asfixia perinatal é uma causa importante de mortalidade no período neonatal. Objetivo: O objetivo deste estudo é analisar as características clínico-epidemiológicas dos óbitos ocorridos por asfixia perinatal e comparar com outras causas de óbito no mesmo período. Material e método: Foi realizado um estudo transversal onde foram verificados todos os óbitos ocorridos no período neonatal nos anos de 2009 a 2015 em uma maternidade publica do sul do Brasil. Resultados: Dos 92 casos de óbito 80% eram prematuros e a principal causa de morte foi Insuficiência respiratória (29%). Por asfixia perinatal foram 18 casos (19,5%). Comparando o grupo cuja causa morte foi asfixia com o grupo que morreu por outras causas encontramos diferença no Apgar (p<0,001) e ausência de prematuros extremos (p<0,05). Não houve diferença entre idade no óbito, consultas de pré-natal, idade gestacional, tipo de parto, presença de malformações, uso de oxigênio e peso ao nascer. Conclusão: Portanto observou-se que a morte por asfixia perinatal ocorre na primeira semana de vida, não são prematuros extremos e tem um bom peso ao nascer e quando comparado ao outro grupo o índice de Apgar e ausência de prematuridade extrema mostraram correlação com a morte por asfixia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Levene ML, Kornberg J, Williams THC. The incidence and severity of postasphyxial encephalopathy in full-term infants. Early Hum Dev. 1985;11:21-6.

World Health Organization. Neonatal and perinatal mortality: country, regional and global estimates. Geneva: WHO; 2006. 5.

Volpe JJ. Neurology of the newbon. 4th ed. Philadelphia: W.B. Saunders Company; 2000. p.217-394.

Cruz ACS, Ceccon MEJ. Prevalência de asfixia perinatal e encefalopatia hipóxico-isquêmica em recém-nascidos de termo considerando dois critérios diagnósticos. Rev bras crescimento desenvolv hum. 20(2):302-16.

Daripa M, Caldas HM, Flores LP, Waldvogel BC, Guinsburg R, de Almeida MF. Perinatal asphyxia associated with early neonatal mortality: populational study of avoidable deaths. Rev Paul Pediatr. 2013;31(1):37-45.

Almeida MFB, Kawakami MD, Moreira LMO, Santos RMV, Anchieta LM, Guinsburg R. Early neonatal deaths associated with perinatal asphyxia in infants ≥2500 g in Brazil. J Pediatr. 2017;93(6):576-84.

BRASIL. Secretaria de Vigilância. Ministério da Saúde. Manual do Óbito de Vigilância infantil e fetal e do Comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. 2009.

Lawn JE, Cousens S, Zupan J. Lancet Neonatal Survival Steering Team. 4 million neonatal deaths: When? Where? Why? Lancet. 2005;365(9462):891-900.

Cloherty JP, Eichenwald EC, Stark AR. Manual of Neonatal Care. 6. ed, Lippincott Williams & Wilkins, 2007.

McCormick MC, Litt JS, Smith VC, Zupancic JA. Prematurity: an overview and public health implications. Annu Rev Public Health. 2011;32:367-79.

Gluckman PD, Wyatt JS, Azzopardi D, Ballard R, Edwards AD, Ferriero DM, Polin RA, Robertson CM, Thoresen M, Whitelaw A, Gunn AJ. Selective head cooling with mild systemic hypothermia after neonatal encephalopathy: multicentre randomised trial. Lancet. 2005;365(9460):663-70.

Wiggglesworth S, Singer DB. Textbook of fetal and perinatal pathology. 2. ed. Massachusetts: Blackwell Science; 1998.

Zhang L, Xue Q. Prenatal hypoxia causes a sex-dependent increase in heart susceptibility to ischemia and reperfusion injury in adult male offspring: role of protein kinase C epsilon. J Pharmacol Exp Ther. 2009;330(2):624-32.

Rohan AJ, Golombek SG. Hypoxia in the term newborn – part one: cardiopulmonary physiology and assessment. The American Journal of Maternal Child Nursing. 2009;34(3):144-52.

Nascimento SB, Alves AS, Silva APD, Andrade FA, Souza MCA, Castañeda DFN et al. Prevalência e fatores associados à anóxia perinatal nas maternidades de Aracaju e sua repercussão sobre a mortalidade infantil. II Seminário de Pesquisa FAP-SE. Aracaju, 2004.

Publicado
2021-02-12
Como Citar
Pabis, J. S., Guimbala, M. A. B., Machado, C. L., Cagliari, P. Z., Schulze, M. L., Sbeghen, C. C., Kropiwiec, M. V., & Pabis, F. C. (2021). Perfil dos óbitos por asfixia perinatal em maternidade pública do sul do Brasil. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(2), 255-259. https://doi.org/10.21270/archi.v10i2.5176
Seção
Original Articles